segunda-feira, 30 de março de 2015

Uma Aula sobre a Fórmula e a Química da Coca-Cola e de Outros Refrigerantes

Uma Aula sobre a Fórmula e a Química da Coca-Cola e de Outros Refrigerantes


REFRI NUNCA MAIS - Uma Aula sobre a Fórmula e a Química da Coca-Cola e de Outros Refrigerantes

Notícias Naturais


Antes de redigir este texto, o Prof. Carlos Fett (Nutrição, UFMT) teve de aprender química, entender tudo sobre componentes de refrigerantes, conservantes, sais, ácidos, cafeína, enlatamento, produção de label de lata, permissões, aprovações, etc. Montei um mini-laboratório de análise de produto equipado até para analisar quantidade de sólidos e, inclusive, desenvolvi softwares para cálculo da fórmula com base nos volumes e tipo de envasamento (plástico ou alumínio), pois isso muda os valores e o sabor. Tive que aprender tudo sobre refrigerante gaseificado para produzir o guaraná Golly aqui (nos EUA), que usa o concentrado Brahma.<!--more-->

A fórmula 'secreta' da Coca-Cola se desvenda em 18 segundos em qualquer espectrômetro-ótico e basicamente até os cachorros a conhecem. Só que não dá para fabricar igual, a não ser que você tenha uns 10 bilhões de dólares para brigar com a Coca-Cola na justiça, porque eles vão cair matando.

A fórmula da Pepsi tem uma diferença básica da Coca-Cola e é proposital exatamente para evitar processo judicial. Não é diferente porque não conseguiram fazer igual; é de propósito, mas próximo o suficiente para atrair o consumidor da Coca-Cola que quer um gostinho diferente com menos sal e açúcar.

Leia também: Açúcar: Tomar um Refrigerante por dia Pode Dobrar suas Chances de Morrer de Doença Cardíaca

Tire a imensa quantidade de sal que a Coca-Cola usa (50mg de sódio na lata) e você verá que a Coca-Cola fica igualzinha a qualquer outro refrigerante sem-vergonha e porcaria, adocicado e enjoado. É exatamente o Cloreto de Sódio em exagero (que eles dizem ser 'very low sodium') que refresca e ao mesmo tempo dá sede em dobro, pedindo outro refrigerante. A Coca-Cola não enjoa porque o tal sal mata literalmente a sensibilidade ao doce e as 39 gramas de 'açúcar' (sacarose) de uma simples latinha de Coca-Cola. Isto mesmo, 39g ou mais de 11% do conteúdo da lata de Coca-Cola é açúcar, algo equivalente a 3 colheres de sopa cheias de açúcar por lata!

Fórmula da Coca-Cola?

(a) Concentrado de Açúcar queimado (leia-se, caramelo, para dar cor escura e gosto).

(b) Ácido ortofosfórico (azedinho).

© Sacarose (açúcar).

(d) HFCS - High Fructose Corn Syrup (açúcar líquido da frutose do milho).

(e) Extrato da folha da planta COCA (África e Índia).

(f) Outros aromatizantes naturais de outras plantas.

(g) Cafeína.

(h) Conservante que pode ser benzoato de sódio ou benzoato de potássio, dióxido de carbono (para fritar a língua quando você a toma e, junto com o sal, dar a sensação de refrigeração).

Leia também: Formula “Secreta” da Coca-Cola (Hoax?)

O uso de ácido ortofosfórico e não o ácido cítrico, como todos os outros usam, é para dar a sensação de dentes e boca limpa ao beber. O ácido fosfórico literalmente frita tudo, em quantidade pode até causar decapamento do esmalte dos dentes; já o ácido cítrico ataca com muito menor violência, pois o ortofosfórico 'chupa' todo o cálcio do organismo, podendo causar osteoporose e comprometimento na formação dos ossos e dentes das crianças em idade de formação óssea (idade de 2 a 14 anos). Tente comprar ácido fosfórico para ver as mil recomendações de segurança e manuseio, pois queima o cristalino do olho, queima a pele, etc. É proibido usar ácido fosfórico em qualquer outro refrigerante, pois só a Coca-Cola tem permissão; se um dia ela tirar, ficará com gosto de sabão.

O extrato da coca e outras folhas quase não mudam nada no sabor. Entretanto, causa um importante efeito cosmético e mercadológico. Igualmente ocorre com o guaraná, pois você não sente o gosto ou cheiro dele (o verdadeiro guaraná tem gosto amargo). Legalmente, porém, tanto o extrato de coca quanto o de guaraná necessitam fazer parte da Coca-Cola e do Guaraná pela questão de registro comercial, haja visto a inexpressiva mudança no gosto. Por falar em gosto, ele é dado basicamente pelas quantidades diferentes de açúcar, açúcar queimado, sais, ácidos e conservantes.

Empresa de aromatizantes e essências

Uma vez o autor visitou uma empresa em Orlando (EUA) que basicamente produzia aromatizantes e essências para sucos: sais concentrados e essências o dia inteiro, caminhão atrás de caminhão saindo da fábrica, para fábricas de sorvete, refrigerantes, sucos, enlatados e, creia, até comida colorida e aromatizada.

Leia também: Coca-Cola Brasileira tem Maior Taxa de Produto Cancerígeno no Mundo

Visitando a fábrica, pedi para ver o depósito de concentrados das frutas, que deveria ser imenso, cheio de reservatórios imensos de laranja, abacaxi, morango, etc; na prática, visitei os depósitos imensos de corantes e mais de 50 tipos de componentes químicos. O refrigerante de laranja, o que menos tem é laranja; morango, até os gominhos que ficam em suspensão são feitos de goma (uma liga química que envolve um semipolímero); abacaxi, por sua vez, é um festival de ácidos e mais goma. E a essência do abacate? Usam até peróxido de hidrogênio (água oxigenada) para dar aquela sensação de arrasto espumoso no céu da boca ao comer, típico do abacate.

Refrigerante Diet e Light

Quer saber a quantidade de lixo que tem em refrigerante diet? O autor diz não usar nem para desentupir a pia, porque tenho pena da tubulação de pvc!

Leia também: Aspartame em Refrigerantes Diet Ligado a Mortes Prematuras em Mulheres

Para abrir os olhos dos cegos: os produtos adocicantes diet têm vida muito curta: o aspartame, por exemplo, após três semanas de molhado passa a ter gosto de pano velho sujo. Para evitar esse gosto, soma-se uma infinidade de outros químicos, um para esticar a vida do aspartame, outro para dar buffer (arredondar) o gosto do segundo químico, outro para neutralizar a cor dos dois químicos juntos que deixam o líquido turvo, outro para manter o terceiro químico em suspensão, senão o fundo do refrigerante fica escuro, outro para evitar cristalização do aspartame, outro para realçar, dar 'edge' no ácido cítrico ou fosfórico que acaba sofrendo pela influência dos 4 produtos químicos iniciais, e assim vai! A lista é enorme.

O que acontece com o seu corpo nos primeiros 60 minutos após beber refrigerante?

(1) 10 minutos: DEZ colheres de chá de açúcar batem no seu corpo, 100% do recomendado diariamente. Você não vomita imediatamente pelo doce extremo, porque o ácido fosfórico corta o gosto.

(2) 20 minutos: O nível de açúcar em seu sangue estoura, forçando um jorro de insulina. O fígado responde transformando todo o açúcar que recebe em gordura, pois é muito para este momento em particular.

(3) 40 minutos: A absorção de cafeína está completa. Suas pupilas dilatam, a pressão sanguínea sobe, o fígado responde bombeando mais açúcar na corrente. Os receptores de adenosina no cérebro são bloqueados para evitar tonteiras.

(4) 45 minutos: O corpo aumenta a produção de dopamina, estimulando os centros de prazer do corpo (fisicamente, funciona como com a heroína.

(5) 50 minutos: O ácido fosfórico empurra cálcio, magnésio e zinco para o intestino grosso, aumentando o metabolismo. As altas doses de açúcar e outros adoçantes aumentam a excreção de cálcio na urina.

(6) 60 minutos: As propriedades diuréticas da cafeína entram em ação. Você urina. Agora é garantido que porá para fora cálcio, magnésio e zinco, os quais seus ossos precisariam. Conforme a onda abaixa você sofrerá um choque de açúcar. Ficará irritadiço. Você já terá posto para fora tudo que estava no refrigerante, mas não sem antes ter posto para fora, junto, coisas das quais farão falta ao seu organismo.

Conclusão

Depois de toda essa experiência com produção e estudo de refrigerantes, Fett afirma: "Sabe qual é o melhor refrigerante? Água filtrada, de preferência duplamente filtrada, laranja ou limão espremido e gelo! Nem açúcar, nem sal!" E completa: "Pense nisso antes de beber refrigerantes. Se não puder evitá-los, modere sua ingestão. Prefira sucos naturais. Seu corpo agradece!"

Leia mais:

Estudo Consumo de Refrigerante vai te Envelhecer tão Rápido Quanto Fumar - 10 Razões para Evitá-lo
[Estudo] Consumo de Refrigerante Envelhece tão Rápido Quanto Fumar – 10 Razões para Evitá-lo

Novo Estudo Confirma Existência de Substâncias Cancerígenas em Refrigerantes

Leia mais: http://forum.noticiasnaturais.com/Topico-uma-aula-sobre-a-f%C3%B3rmula-e-a-qu%C3%ADmica-da-coca-cola-e-de-outros-refrigerantes#ixzz3VoZGy42j



domingo, 29 de março de 2015

Coca-Cola Life barrada no Brasil

Nova bebida com 13 a menos de açúcar que a versão original tem na composição a mistura de açúcar e adoçante, fora da regulamentação do Ministério da Agricultura para refrigerantes 

RIO- A Coca-Cola lançou uma nova bebida com menos calorias, 89 em vez de 138 em 
330 ml da versão original. Não é diet, nem ligth, é life: uma mistura de açúcar com estrato de folhas de stevia, um adoçante natural. O produto já foi lançado na Argentina, no Chile, e em setembro passará a ser vendido no Reino Unido, mas não chegará ao Brasil.

Por qui, o Ministério da Argentina tem um decreto (6871/2009) que rege a padronização, a classificação, o registro, a inspeção e a fiscalização da produção e do comércio de bebidas. Este decreto proíbe a associação de açúcar e edulcorantes em bebidas não alcoólicas, com exceção de preparados sólidos para sucos. Edulcorantes são adoçantes, como a stevia.


- Esse entendimento vem desde a década de 1960 e no início do ano houve discussão sobre a revisão do decreto, por demanda das empresas de refrigerantes, mas decidiu-se por não revisá-lo - explica Marlos Vicenzi, chefe da Divisão de Bebidas do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem vegetal do Ministério da Agricultura. 


G1


sexta-feira, 27 de março de 2015

RELAÇÃO ENTRE ALIMENTAÇÃO E VIBRAÇÃO ENERGÉTICA


Entenda porque certos alimentos baixam nossa energia, comprometendo a longevidade e dificultando nossos esforços de elevação espiritual

A certa altura do caminho espiritual, todos nós somos avisados que alimentos industrializados, artificiais e de origem animal, assim como bebidas alcoólicas, drogas e guloseimas devem ser evitados porque deixam muitas toxinas em nosso organismo. A justificativa para essa indicação é que a intoxicação do corpo baixa nossa vibração energética.

Para quem deseja compreender melhor a relação entre alimentação e nível vibratório, transcrevemos uma passagem do livro O Segredo de Shamballa, de James Redfield (Editora Objetiva). Autor do clássico A Profecia Celestina, Redfield é espiritualista e pesquisador. Para escrever o texto a seguir, ele baseou-se no trabalho do médico Phd Theodore A. Baroody, um especialista em medicina preventiva e nutrição.
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Aqui, Redfield explica com grande clareza e simplicidade como a dieta influi no nível de energia dos seres humanos.

A maioria das pessoas é cheia de energia e entusiasmo durante a juventude, mas, depois, na meia-idade, começa a escorregar lentamente ladeira abaixo e finge não perceber. Afinal, todos os amigos estão na mesma situação e seus filhos são ativos, então eles passam cada vez mais tempo sentados, comendo as coisas que têm gosto bom.

Não demora até que comecem a ter queixas e problemas crônicos tais como dificuldades digestivas e irritações da pele que atribuem à idade, e então, um dia, contraem uma doença grave, de cura difícil.

Geralmente procuram um médico que não ensina prevenção, e se põem a tomar remédios; às vezes o problema é resolvido, às vezes não é.

E então, com o passar dos anos, elas pegam uma doença que piora progressivamente, e percebem que estão morrendo; seu único consolo é pensarem que o que está acontecendo com elas ocorre com todo mundo, que é inevitável. E o pior é que esse colapso de energia acontece, até certo ponto, até mesmo com quem pretende ser espiritualizado.

Se procuramos ampliar nossa energia e ao mesmo tempo consumimos alimentos que nos roubam essa energia, não chegamos a lugar algum. Temos de avaliar todas as energias que rotineiramente permitimos que entrem em nosso campo de energia, especialmente os alimentos, e evitar tudo que não seja o melhor para que nosso campo continue forte. 

Sei que por aqui existem muitas informações conflitantes a respeito dos alimentos. Mas a verdade está aqui também. Cada um de nós precisa pesquisar, tentar ter uma visão mais ampla.

Somos seres espirituais que viemos a este mundo para aumentar a nossa energia. No entanto, grande parte do que encontramos aqui destina-se simplesmente ao prazer sensual e à distração, e grande parte mina a nossa energia e nos empurra para a desintegração física.

Se realmente acreditamos que somos seres energéticos, devemos seguir o caminho estreito por entre essas tentações. Estudando a evolução, você verá que, desde o início, tivemos de escolher nosso alimento experimentando e errando, apenas para descobrir quais eram bons para nós e quais nos matariam.

Se comer esta planta, você sobrevive; se comer aquela ali, morrerá. Hoje, já sabemos o que nos mata, mas só agora estamos aprendendo quais são os alimentos que aumentam a nossa longevidade e mantêm alta a nossa energia, e quais nos prejudicam. 

Parecemos ser de matéria, carne e sangue, mas somos átomos! Energia pura! A ciência já provou esse fato. Quando nos aprofundamos no estudo dos átomos, vemos primeiro partículas e depois, em níveis mais profundos, as próprias partículas se transformam em padrões de energia pura vibrando em certo nível.

E se olharmos desta perspectiva para aquilo que comemos, veremos que o que colocamos em nosso corpo como alimentos afeta o nosso estado vibratório, ao passo que outros diminuem.

A verdade é simples. Todas as doenças resultam de uma queda na energia vibratória; quando a nossa energia cai até determinado ponto, existem forças naturais no mundo que se destinam a desintegrar o nosso corpo.

Quando alguma coisa morre, como por exemplo um cachorro atropelado por um carro ou uma pessoa depois de longa doença, as células do corpo imediatamente perdem a vibração e se tornam muito ácidas quimicamente.

Esse estado ácido é o sinal para os micróbios do mundo, os vírus, as bactérias e os fungos, de que está na hora de decompor aquele tecido morto. Esse é o trabalho deles no universo físico; devolver um corpo à terra.

Já lhe disse que quando a energia em nosso corpo diminui por causa do tipo de alimento que comemos, isso nos torna suscetível às doenças.

Eis como funciona: quando comemos, o alimento é metabolizado e deixa resíduos ou cinzas em nosso corpo. Esses resíduos são de natureza ácida ou alcalina, dependendo da comida; se ela for alcalina, então pode ser rapidamente extraída de nosso corpo com pouca energia.

No entanto, se esses produtos residuais são ácidos, fica muito difícil para o sangue e o sistema linfático os eliminarem, e eles são depositados em nossos órgãos e tecidos como sólidos, formas cristalinas de baixa vibração que criam bloqueios ou rupturas nos níveis vibratórios das nossas células.


Quanto mais desses subprodutos ácidos são depositados em nosso corpo, mais ácidos os tecidos se tornam... e adivinhe o que acontece?

Um micróbio aparece, sente todo esse ácido e diz: "Ah, este corpo está pronto para ser decomposto."

Está entendendo? Quando um organismo morre, o corpo muda rapidamente para um ambiente altamente ácido e é consumido pelos micróbios bem depressa. Se começarmos a aparentar esse estado muito ácido, ou estado de morte, então começamos a sofrer o ataque de micróbios. Todas as doenças humanas resultam de um ataque desses. 

Todas as doenças surgem por meio da ação microbiana. Vários micróbios foram associados às lesões arteriais da doença coronária, assim como à produção de tumores cancerígenos. Mas, lembre-se, os micróbios estão apenas fazendo a sua função; a verdadeira causa é a alimentação que provoca o ambiente ácido.

Nós, humanos, estamos em um dos dois estados: ou no alcalino, de alta energia, ou no ácido, que avisa os micróbios que habitam em nós ou que surgem que estamos prontos para sermos decompostos. A doença é literalmente uma decomposição de alguma parte do nosso corpo, porque os micróbios perto de nós receberam o sinal de que já estamos mortos. 

Geralmente, os alimentos que deixam resíduos ácidos em nosso corpo são pesados, cozidos demais, industrializados demais, e doces – como carnes, farinhas, balas, álcool, café e as frutas mais doces; os alimentos alcalinos são mais verdes, mais frescos, mais vivos, tais como legumes frescos e seu suco, verduras, brotos e frutas como abacate, tomate, grapefruit e limão. 

É muito simples. Somos seres espirituais num mundo espiritual e energético. Vocês no Ocidente podem ter crescido achando que a carne cozida e os alimentos industrializados são bons; mas agora sabemos que eles criam um ambiente de lenta decomposição que ao longo do tempo cobra seu preço.

Todas as doenças debilitantes que afligem a humanidade, como aterosclerose, enfarte, artrite, aids e especialmente os vários tipos de câncer, existem porque poluímos nosso corpo, o que avisa aos micróbios dentro de nós que estamos prontos para nos decompor, morrer.

Sempre nos perguntamos por que certas pessoas expostas aos mesmos micróbios não sofrem o contágio de uma doença; a diferença é o ambiente do interior do organismo.

A boa notícia é que, mesmo se tivermos excesso de acidez no corpo e começarmos a nos decompor, a situação pode ser revertida se melhorarmos nossa nutrição e passarmos para um estado alcalino e de energia mais alta. 

Estamos vivendo na idade das trevas no que refere aos princípios de um corpo vibrante e altamente energético. Os seres humanos deveriam viver mais de 150 anos.

Mas a nossa alimentação é tal que imediatamente começa a nos destruir. Em toda parte vemos pessoas que estão se decompondo diante dos nossos olhos. Mas não precisa ser assim.

Extraído do livro O Segredo de Shambahla, de James Redfield, Editora Objetiva.

http://despertardegaia.blogspot.com/

quinta-feira, 26 de março de 2015

ALIMENTAÇÃO MACROBIÓTICA


ALIMENTAÇÃO MACROBIÓTICA


Os benefícios para a saúde e os princípios que a diferenciam da corrente vegetariana

Embora a alimentação macrobiótica privilegie ingredientes de origem vegetal, ela distingue-se do vegetarianismo, permitindo, por exemplo, a ingestão de peixe, uma a duas vezes por semana.

Mas não só. Como esclarece Sara Fernandes, nutricionista, «no vegetarianismo, a ênfase alimentar é baseada na exclusão total ou parcial de produtos animais (carne, peixe) e seus derivados (ovos, leite, queijo, iogurte, manteiga, natas e mesmo mel)».

«No entanto, não é dado grande realce ao consumo de cereais integrais que, para além dos vegetais e leguminosas, são o núcleo da prática macrobiótica», refere a especialista.


A regra da harmonia


A alimentação macrobiótica «é também baseada nos princípios orientais de yin e yang, isto é, forças opostas complementares. É através destes princípios que, por exemplo, compreendemos o desejo de comer doces/açúcar (yin) após o consumo excessivo de carne (yang)», salienta.

Esta teoria, pressupõe, acrescenta Francisco Varatojo, diretor do Instituto Macrobiótico de Portugal, onde são lecionados workshops sobre cozinha macrobiótica, «a ideia de que todos os fenómenos, alimentos incluídos, têm qualidades energéticas, metafísicas, e de que a harmonia relativa é conseguida quando equilibramos estes dois polos, yin e yang, nas nossas vidas».


Outros princípios


Para além do pressuposto do yin e yang, a dieta macrobiótica, que pode e deve ser adaptada às necessidades de cada um, segue determinados princípios, nomeadamente a evolução biológica, a tradição, a localização geográfica, a estação do ano, a ecologia, a idade, o sexo, o estilo de vida e a saúde do indivíduo.

Assim, por exemplo, segundo esta teoria, devemos dar primazia aos alimentos cultivados no clima em que vivemos e preferir alimentos que sejam típicos da estação do ano em que nos encontramos.

Também a confeção envolve regras, assim como se defende que o próprio estado de espírito de quem prepara a refeição a pode influenciar. Por outro lado, a dieta macrobiótica encara a mastigação lenta e eficaz como uma peça essencial, podendo, nomeadamente melhorar a digestão, conceder calma e diminuir o desejo por doces.

Paralelamente, embora no regime macrobiótico não existam alimentos proibidos, o consumo de carnes, ovos, laticínios, açúcar, vegetais e frutos tropicais, café, chá preto, alimentos refinados e sujeitos a transformações químicas é desaconselhado.

A ementa


No menu macrobiótico diário, destacam-se os cereais integrais (menos processados), seguidos de vegetais (ricos em hidratos de carbono, fibras e vitaminas), leguminosas (fontes de proteínas de origem vegetal), seus derivados e algas (que oferecem minerais, cálcio, oligoelementos, proteínas, hidratos de carbono e vitaminas). 

A sopa também é um prato presente diariamente, enquanto sementes, oleaginosoas, frutos, peixe e adoçantes podem ser consumidos numa base semanal.


Vegetais


Devem constituir entre 25 a 35 por cento do total dos alimentos ingeridos ao longo do dia. O consumo de batatas, tomates e beringelas é ocasional.


Leguminosas, derivados e algas


Grão-de-bico, lentilhas, vários tipos de feijão, tofu (queijo de soja), tempeh (alimento feito à base de feijão de soja), natto (feijão de soja fermentado), seitan (glúten de trigo) e algas fazem parte deste grupo que deve corresponder entre dez a 15 por cento do total dos alimentos ingeridos num dia.


Cereais integrais


Perfazem entre 50 a 60 por cento da dieta diária de quem segue a alimentação macrobiótica. Este cabaz inclui arroz integral, cevada, millet, aveia, milho, trigo, centeio, cuscuz, flocos de aveia, de cevada, massas e pão, entre outros ingredientes.

Sopa

Aconselha-se a ingestão de uma a duas tigelas por dia. A sopa pode ser de vegetais, incluir cereais, leguminosas, algas e peixe. Uma das versões mais recomendadas, dado o seu efeito positivo na flora intestinal, é a sopa de miso à base de uma pasta de feijão, sal e cereais, fermentada com uma enzima.


Outros

A dieta macrobiótica inclui ainda, em quantidades variáveis, sementes e oleaginosas, frutos da estação e da área geográfica, peixe de carne branca, certos tipos de chás, vinho, whisky de malte ou vinho (em situações especiais), vinagre de arroz, de ameixa, gengibre, ervas aromáticas, azeite, óleo de sésamo, girassol, de milho e condimentos como sementes de sésamo com sal, pickle de ameixa, entre outros.

O impacto na saúde


Este tipo de dieta, segundo Sara Fernandes, tem vantagens. «A alimentação macrobiótica tem demonstrado ser uma boa prática alimentar para a saúde e bem-estar e uma mais-valia para a redução das taxas de obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares (incluindo hipertensão, níveis elevados de colesterol e triglicéridos) e alguns tipos de cancro».

Contudo, tal como qualquer outro tipo de dieta, o estilo de vida macrobiótico deve ser equilibrado.

Caso contrário, alerta a nutricionista, «podem surgir carências, no aporte de vitamina B12, disponível essencialmente em alimentos de origem animal, mas que pode ser minimizada com o consumo de peixe duas a três vezes por semana». «Se não se consumir peixe e/ou oleaginosas pode-se estar a contribuir para um desequilíbrio no rácio de ácidos gordos essenciais». Uma situação passível de ser evitada se apostar numa alimentação variada. 


Texto: Nazaré Tocha com Francisco Varatojo (diretor do Instituto Macrobiótico de Portugal) e Sara Fernandes (nutricionista)


Fonte:http://sementedacura.blogspot.com.br/
http://aumagic.blogspot.com.br/


sexta-feira, 20 de março de 2015

Refrigerante caseiro e medicinal de limão, gengibre e cloreto de magnésio


Chega de refrigerante que faz mal!

Agora você vai aprender a receita de um refrigerante verdadeiramente medicinal.

Ah, e não é só um refrigerante.

É também uma bebida que atua como um energético natural.


As bebidas energéticas fazem o maior sucesso, especialmente entre os mais jovens.

Mas você já parou para se perguntar do que são feitas essas bebidas?

E se a "energia" dada por elas for boa para o corpo?

Vamos ser curtos: fique longe desses energéticos!

Eles são coquetéis de substâncias químicas que, entre outras coisas, podem prejudicar o seu coração e causar dependência.

Então você pode nos rebater dizendo: "Eu me sinto bem com energéticos".

Tudo bem, eles podem até dar uma sensação de energia e euforia, mas essa sensação é artificial e oferece sim riscos à saúde.

Nós vamos lhe oferecer agora uma alternativa natural de energético.

E, mais que um refrigerante energético, esta bebida é sem exagero uma fonte de saúde.

E isso graças aos seus ingredientes, todos poderosos antioxidantes que atuam contra o desgaste do corpo e retardam o envelhecimento.

O limão, só para exemplificar, alcaliniza o sangue, ou seja, melhora a qualidade do fluido que percorre veias, artérias e vasos capilares.

E o magnésio participa de mais de 350 reações enzimáticas necessárias à vida.

É por isso que dizemos, com toda a convicção, que este energético natural é uma verdadeira fonte de vida e juventude.

INGREDIENTES

200 mL de água

1 colher (sopa) de mel

1 grama em pó ou dissolvido de vitamina C (não vale a efervescente)

2 colheres (sopa) de cloreto de magnésio

1 limão

1 colher (chá) de gengibre ralado ou em pó

MODO DE PREPARO

Em um copo com 200 mL de água mineral ou filtrada, acrescente mel e vitamina C.

Dissolva 33 gramas de cloreto de magnésio em 1 litro de água e coloque 2 colheres (sopa) dessa solução na bebida energética.

Esprema um limão na bebida e coloque uma colher (chá) de gengibre em pó ou ralado.

Mexa tudo muito bem.

Finalize, se quiser, com duas ou mais pedras de gelo.

Tome um ou dois copos dessa bebida diariamente.


http://www.curapelanatureza.com.br/

quinta-feira, 19 de março de 2015

O relógio do corpo - saiba qual o melhor horário para cada atividade


Sabia que existe o melhor horário para dormir, acordar, fazer sexo, estudar, ir ao dentista e praticar exercícios físicos?

A natureza é tão perfeita que programou o nosso corpo para que ele funcionasse com a precisão de um relógio suíço.

Infelizmente, o ser humano, desinformado em relação ao próprio corpo e sob pressões externas, como estudo e trabalho, força a desprogramação desse perfeito relógio.

E o resultado são as doenças e o precoce desgaste físico.



Mostramos a seguir como funciona o relógio do organismo e convidamos você a tentar a respeitar os ciclos dele, o que lhe proporcionará ganhos na qualidade de vida.

Das 7h às 9h

7h

A partir das 6h, o corpo produz um hormônio, o cortisol. 

Entre 7h e 8h, a taxa de cortisol no corpo atinge a concentração máxima. Faixa horária ideal para acordar com facilidade. Voltar a dormir é um erro. 


7h22

Programe o despertador para este horário. Especialistas acreditam que o organismo fica pronto para acordar após sete ou oito horas 
de sono. No entanto, pesquisas da Universidade de Westminster 
descobrira que pessoas que despertam entre 5h 22min e 7h 21min 
têm uma concentração maior do hormônio de estresse no sangue, 
independente do horário que foram dormir e isso aumenta o risco de paradas cardíacas.


7h30

Fazer sexo às 7h30 produz substâncias no organismo que garantem 

um bom início de dia.
Faça amor. O corpo produz uma onda de hormônios sexuais e 
adrenalina para a pessoa começar bem o dia. Um estudo na Itália 
descobriu que neste horário os casais têm mais chances de 
chegar ao orgasmo.

8h10min

Tome café da manhã. A melhor coisa é tomar o café da manhã cerca de uma hora depois de acordar, segundo cientistas da 
Austrália. "O apetite está em alta neste horário", explicou o pesquisador Brett Harper. Antes disso, o estômago não está pronto para a digestão e absorção.


9h

A endorfina, um analgésico natural,  tem sua produção intensificada a partir das 9 horas, sendo este ehorário excelente para estimular o corpo (ginástica ou exercícios físicos)

Das 9h às 10h

9h

A taxa de serotonina está em seu apogeu. O prazer experimentado 

só será aumentado. Boa hora para ir ao dentista: as endorfinas, 
em alta nesse horário, são anestésicos naturais.
Execute tarefas difíceis. As pessoas estão no estado mais alerta 
entre a primeira e segunda hora após acordar, segundo pesquisas. 
Este momento é quando os níveis de estresse e de açúcar no 
sangue estão mais altos. Por isso, a pessoa tem energia para 
lidar com situações de dificuldade, de acordo com o professor 
Simon Folkard, da Universidade de Wales.


10h

A serotonina (hormônio do prazer/ neurotransmissor) é produzida por volta das 10 horas. 

Ela é chamada de hormônio do prazer porque aumenta a libido 
e a disposição física e mental. A serotonina atua em conjunto com a 
endorfina, ainda dentro do horário desta, potencializando-a. Este, portanto, é 
o horário ideal para se fazerem tratamentos médicos, dentários 
ou outros, pois esses dois hormônios atuam como anestésicos.

Das 10 às 12h

10h

O estado de vigilância atinge o seu pico e a memória de curto prazo 

está mais ativa. Momento para refletir, discutir ideias e encontrar 
inspiração.

10h30

Coma algo. O ideal é estabilizar a queda de energia com um lanche rápido. Comer várias vezes ao dia ajuda o corpo a funcionar de forma 
mais eficiente do que se concentrar a alimentação em apenas três 
refeições diárias.

Cérebro em velocidade máxima

Entre as 10h e as 12 horas, cessa o efeito da endorfina. Mais ativo e rápido, o cérebro raciocina melhor, memoriza, reflete, cria e se inspira em 
velocidade máxima, ficando mais atento a tudo. Ótimo horário para 
estudar, discutir e resolver assuntos ligados ao trabalho ou 
situações importantes, pois sua lucidez e calma estão em alta.


Das 13h às 14h

13h

Almoce. Os processos de digestão funcionam a todo vapor neste horário.

14h

Tome chá ou muito pouco café, pois, neste horário, o corpo perde energia. Apenas a esta hora do dia, a cafeína é indicada em doses adequadas

Adrenalina 

É entre as 13 e as 14 horas que há diminuição da liberação do hormônio da atenção - a adrenalina. A moleza de depois do almoço, portanto, não se deve só à digestão, 
mas também a uma queda dos níveis de adrenalina, o que desacelera o ritmo cardíaco.
É por isso que, depois do almoço, alguns indivíduos ficam sonolentos.
A sugestão nesse caso é um cochilo leve de 20 minutos, que fará retornar 
a boa disposição para a tarde que se aproxima.

Das 15h às 17h

15h

A forma física encontra o seu apogeu no meio da tarde, ao mesmo 

tempo que a capacidade intelectual diminui. Como não 
há produção de hormônios específicos nesse horário, os 
cronobiologistas ainda não encontraram uma explicação para o fato.

16h

Para estabilizar os níveis de açúcar no sangue e evitar 

comidas em exagero no início da noite, tome um iogurte às 16h. 
O ideal são iogurtes com baixo índice de açúcar e gordura.

17h

Exercite-se. Pesquisas na Califórnia descobriram que a hora melhor

para a coordenação dos movimentos é às 17h. Neste horário, o hormônio do estresse 
- que pode danificar o sistema imunológico - está mais baixo. E assim você pode se beneficiar ainda mais da elevação da adrenalina proporcionada pela atividade física.


Das 18h às 21h

18h

O organismo fica mais vulnerável à poluição e ao monóxido de carbono 

a partir das 18 horas. Convém evitar os engarrafamentos. Nesse horário, a 
atividade intelectual e o estado de vigilância atingem novo pico.
Às 18 horas, você está no seu mais forte em termos físicos.
O melhor tempo para o treinamento de força é no horário das 6 da noite, de acordo com estudos de cronobiologia, pois seus músculos 
estão com mais resistência no início da noite.
A temperatura do corpo é maior às 4 horas da tarde. Isso significa 
que o metabolismo do corpo está sendo elevado. Um pouco mais 
tarde, os músculos estão mais fortes. Os pesquisadores acreditam 
que o aumento do metabolismo faz as células musculares 
obterem seu melhor desempenho.
Há mais argumentos a favor de o início da noite ser o melhor momento 
para o treinamento de força. Este é o momento em que a sua 
relação entre o hormônio anabólico testosterona  e o catabólico hormônio 
cortisol é mais favorável. Isso significa que seus músculos se 
recuperam mais rapidamente depois da sessão de treinamento e, 
portanto, crescem melhor.


19h

Tome uma taça de vinho. Se você quer tomar uma taça de

vinho, este é o momento. Mas não exagere, apenas deguste. 
Várias funções do organismo funcionam em ritmo mais lento ao final 
do dia e o álcool ajuda a relaxar ainda mais.

19h30

Faça uma refeição leve. Comer carboidratos e comidas gordurosas à noite provoca elevação dos níveis de açúcar no sangue e sobrecarrega 
o sistema digestivo, o que afeta a qualidade do sono. Prefira vegetais 
e saladas para o jantar.

Das 20h à 1h da madrugad

20h

Das 20  às 21 horas, as enzimas do fígado não estão atuando e, 

Portanto, não poderão metabolizar o álcool. É por isso que no jantar o 
indivíduo fica mais predisposto a se embriagar.
A melatonina (hormônio do sono) invade progressivamente o corpo a partir das 18h.

21h

Pesquisas dizem que é excelente horário para o sexo, pois 
aciona a endorfina no cérebro, promovendo assim sono reparador.

A melatonina, o hormônio responsável pela pontualidade do corpo 

humano, provoca o aumento dos glóbulos brancos (foto) e de 
outras células envolvidas no sistema de defesa do corpo. A resistência 
aos vírus e às bactérias está no ponto máximo.

22h

Tome banho. A temperatura do corpo precisa estar em ordem para uma boa noite de sono. Um banho quente relaxa o corpo e ajuda a pessoa a 
adormecer. Não leia, assista televisão ou coma sobre a cama para ter 
uma noite tranquila. 
Das 22 horas à 1 hora da madrugada, o sono é muito importante, 
pois ele coincide com a produção de hormônios do fígado e do DHEA, 
hormônio do crescimento, que promovem a recuperação física e 
mental. O DHEA também é o hormônio da memória.

www.curapelanatureza.com.br/
Que o seu alimento seja seu remédio, e que seu remédio seja seu alimento. (Hipócrates)